O Museu da Bíblia e o milagre da ressurreição

Danilo Matoso

Quando de seu surgimento, no século 16, o protestantismo reformava a fé cristã sobretudo por meio da interpretação direta da bíblia pelo fiel. Aboliam-se santos e a intermediação sacerdotal, abolia-se o culto a imagens. O governador do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB) lançou no último dia 18 a pedra fundamental do “Museu da Bíblia” na área no Eixo Monumental de Brasília. Ao fazê-lo, ironicamente, canonizou “São Oscar Niemeyer” em nome dos evangélicos. A obra seria executada a partir de um croquis sumário elaborado na década de 1980 por nosso arquiteto maior, falecido em 2012. Como é sabido no meio profissional, o desenvolvimento de um projeto e o acompanhamento da execução da obra são parte de sua concepção. A execução de qualquer obra de arquiteto falecido não pode ser tomada senão como falsificação ou, no melhor caso, uma alegoria da ideia apenas esboçada pelo autor. Com a obra, o governador pretendia afagar seu amplo eleitorado evangélico, mas acabou perpetrando uma ofensa não apenas aos religiosos, como também a toda a categoria dos arquitetos e à população de Brasília.

O Estado brasileiro é laico, mas os criadores de Brasília implantaram um templo católico em plena Esplanada dos Ministérios. Lucio Costa situou-a na lateral do eixo “por uma questão de escala”. Oscar Niemeyer era comunista e ateu. Tinha, porém, um aguçado “senso do que é sagrado”, como Le Corbusier. Projetou uma bela catedral, aberta para os céus por entre os cristais que entremeiam 16 colunas curvas. Em que pese a predominância do catolicismo em nosso país e a habilidade de nossos técnicos e artistas, tratava-se evidentemente de uma brutal assimetria política: uma afronta não apenas ao princípio da laicidade do Estado, vigente no país desde a proclamação da República, mas também à garantia de representação das demais religiões. Sanar o problema, evidentemente, passa pela conversão da catedral em templo ecumênico, de acesso garantido a todas as práticas religiosas.

Contemplar o protestantismo com um templo secundário na porta dos fundos do Eixo Monumental é uma solução canhestra. A infeliz proposta desenvolveu-se a partir de um pedido do deputado Antônio de Jesus (PMDB/GO) em 1987 “na condição de representante evangélico na Assembleia Nacional Constituinte”, e atendida no ano seguinte, já com estudo preliminar do edifício, mas até hoje sem a criação do lote. Algum espírito lúcido provavelmente advertiu o óbvio. Os evangélicos seriam representados defronte à rodovia de serviços da cidade – de modo muito inferior aos católicos. Além disso, caso todas as religiões apresentassem pleito similar, seriam construídos templos em toda a área central da cidade tombada.

Em 1987, Brasília fora declarada Patrimônio da Humanidade como uma criação de Lucio Costa e de Oscar Niemeyer: uma ideia com autores bem definidos. Seguindo a velha tradição patrimonialista, tal presente da Unesco tornou-se pretexto jurídico não apenas para que todo edifício monumental da cidade fosse forçosamente projetado por Niemeyer – e mais ainda para extrapolar os índices urbanísticos – como também para que não fosse necessário concurso público ou licitação para tanto. Por mais genial que seja, porém, nenhum homem é infalível. Como o arquiteto ainda era humano, para desespero dos brasilienses, ele viria a se tornar um dos maiores inimigos de sua própria obra em seus últimos anos.

Tal fenômeno se deu sobretudo quando não lhe foi possível acompanhar a contento o desenvolvimento dos projetos e sua construção. Verdadeiros monstros de vidro e concreto mal proporcionados e mal implantados causavam à população não a agradável surpresa almejada por seu autor, mas o horror do espanto. A obra de Niemeyer desenvolvida sem a supervisão do mestre colocava em franco confronto criador e criatura. Era visível o descompasso entre os croquis ainda leves e as pesadas obras desenvolvidas por outros arquitetos a partir dos croquis de Niemeyer, como na Procuradoria Geral da República – conhecida como “espremedor de laranjas” – ou a pesada cúpula do Museu da República – conhecida como “forno de pizza” – ambos na área monumental.

Há dez anos, em 2009, a pedido do então ainda liberto governador José Roberto Arruda, Niemeyer chegou a propor um obelisco curvo de 100 metros em plena Esplanada. Foi demais. A comunidade arquitetônica e os cidadãos brasilienses se levantaram contra aquele absurdo, e a obra foi engavetada. A cobertura do Museu da Bíblia representa uma pobre imagem literal: um livro aberto, em contradição com o princípio protestante de não cultuar imagens. Se mal desenvolvido em suas formas, talvez venha a ser conhecido como “o barrete de padre” ou pelo nome menos lisonjeiro de alguma peça de louça.

Circula nos corredores da Capital a estória de que o atual governador desejava construir o monumento à bíblia “doando” ao GDF um projeto da lavra da arquiteta que atende seu escritório particular de advocacia. Temendo o pior, algum técnico, realizou o primeiro milagre de São Niemeyer – talvez inspirado no milagre de Lázaro. Ressuscitou o projeto da década de 1980 divulgando na imprensa sua intenção de levar adiante o projeto do Santo. Os representantes dos arquitetos e urbanistas do Distrito Federal reunidos no Conselho de Entidades de Arquitetura e Urbanismo divulgaram então uma nota conjunta repudiando o encaminhamento da iniciativa. No interesse da boa Arquitetura, recomendou-se que “croquis, estudos preliminares, anteprojetos etc. de autores falecidos, conquanto sejam valiosos registros de sua inventividade, não sejam desenvolvidos e levados à execução por terceiros – qualquer que seja sua relação com os autores originais – sob patrocínio do Poder Público como se fossem obras dos criadores primevos”. A nota conclui: “todo autor tem o direito de encerrar a sua obra” – algo evidente em caso de falecimento, salvo milagre.

Certa vez escreveu Oscar Niemeyer: “um dia, o povo ouvirá o que deseja, e a liberdade e os direitos humanos serão conquistas irreversíveis”. Até lá, luta!


Texto publicado originalmente no site do Sindicato dos Arquitetos do Distrito Federal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s